Já Definou as Metas de Recuperação de dados do seu Backup?

Se você já passou por uma falha de sistema ou aplicação, sabe da verdade: seus backups precisam ser tão bons quanto sua capacidade de recuperação a partir deles.

 

Mas como saber quais arquivos você precisa fazer backup, e com que frequência?

Muitos duvidam, mas quem viveu a experiência sabe que ter o backup dos seus servidores e aplicações  pode salvar o negócio.

 

Veja a seguir as três áreas principais para definir suas metas de recuperação:

 

Área 1: Qual é a frequência do Backup de Arquivos?

 

Você ainda faz backup apenas uma vez ao dia? Se você fez o seu backup às 0hrs de ontem, e hoje o seu servidor queima às 14hrs, como vai recuperar os dados desse período?

Com uma solução corporativa, de tecnologia moderna, você tem backups sendo feitos de 5 em 5 minutos. Isso vai diminuir o risco de perder dados e proporcionar a possibilidade de recupera-los em pontos específicos. Se quer uma versão do arquivo, é possível buscar essa versão no backup de minutos ou horas atrás.

Converse com os Líderes do negócio e com os profissionais de TI da empresa, definam a frequência necessária de backup em caso de desastre para saber qual é o tempo máximo de perda de dados sem prejudicar seu negócio.

 

Área 2: Qual seria um tempo de recuperação adequado?

Se você usa sistemas e aplicações para o sucesso da sua operação, aí está o seu “calcanhar de Aquiles”.

No caso de aplicativos críticos para os negócios, como ERP, Servidor de E-mail e Banco de Dados, eles são objetos críticos para o seu negócio. Em caso de falha, com que urgência seus usuários precisam dos dados e aplicativos?

 

Defina quais são os sistemas e aplicativos principais para a continuidade da operação da sua empresa. É preciso investigar as necessidades do seu negócio: qual é a tolerância para a perda de dados de cada aplicativo e unidade de negócios? Quais são os requisitos organizacionais, setoriais e governamentais da retenção dos dados?

 

Só com uma solução corporativa de recuperação de desastres você tem a capacidade de retomar esses serviços dentro de poucos minutos. Após um problema grave que parou os servidores, você pode ter seus serviços de volta no tempo de um cafezinho (15 minutos).

O tempo de recuperação (RTO) pode determina se a sua empresa terá um prejuízo grande ou até nenhum prejuízo.

 

Área 3: Tem um plano de Recuperação de Desastres atualizado?

Não é por acaso que se fala tanto em “plano de recuperação de desastres”. Executar tarefas de backup é (relativamente) fácil. Saber exatamente o que fazer durante falhas ou interrupções é o que fará de você um herói (ou vilão) de TI.

 

É nesse momento que entra em jogo sua competência em analisar:

  1. Quais são as aplicações mais importantes para a operação dos seus negócios?
  2. 2. Qual é o contrato de nível de serviço esperado para que os aplicativos críticos voltem a ficar on-line (RTO e RPO)?
  3. De quem é a responsabilidade de restaurar cada sistema?
  4. A definição de “voltar a ficar on-line” difere entre a área de TI e outras unidades do negócio?

 

Com essas metas atingidas você estará preparado para enfrentar os desastres mais comuns na TI, como:

  1. Queda de energia
  2. Falha no equipamento
  3. Ransomware que criptografa seus servidores
  4. Falha no software
  5. Erro humano

 

Se você já sofreu com o processo de recuperação de desastres através da tecnologia tradicional, sabe como ele pode ser frustrante. Após focar na recuperação e definir as prioridades da sua empresa, você saberá quais são seus critérios para escolher uma solução de proteção de dados realmente competente, que possa facilitar e proteger os backups e as recuperações.

Quer conversar mais sobre o assunto? Nossos especialistas tem desenhado e implementado projetos de backup e recuperação de dados confiáveis e simples de gerenciar com opção de redundância segura em cloud. Ligue 62 3945-7955.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *