Já definiu as metas de recuperação de dados do seu Backup?

Se você já passou por uma falha de sistema ou aplicação, sabe da verdade: seus backups precisam ser tão bons quanto sua capacidade de recuperação a partir deles.

Mas como saber quais arquivos você precisa fazer backup? E com que frequência?

Muitos duvidam, mas quem viveu a experiência de uma grande falha sabe que ter o backup dos seus servidores e aplicações pode salvar o negócio.

Veja a seguir os três principais pontos para definir suas metas de recuperação:

.

1. Qual é a frequência ideal do Backup de Arquivos?

Você ainda faz backup apenas uma vez ao dia? Se você fez o seu backup às 0 hrs de ontem, e hoje o seu servidor queima às 14 hrs, como vai recuperar os dados desse período?

Com uma solução corporativa de tecnologia moderna é possível fazer backups de 5 em 5 minutos. Isso vai diminuir o risco de perder dados e proporcionar a possibilidade de recupera-los em pontos específicos. Se quiser uma versão do arquivo, é possível buscar essa versão no backup de minutos ou horas atrás.

Converse com os Líderes do negócio e com os profissionais de TI da empresa, definam a frequência necessária de backup em caso de desastre para saber qual é o tempo máximo de perda de dados sem prejudicar seu negócio.

.

2. Qual o tempo de recuperação adequado?

Se você usa sistemas e aplicações para o sucesso da sua operação, aí está o seu “calcanhar de Aquiles”.

ERP, Servidor de E-mail e Banco de Dados são objetos críticos para o seu negócio. Em caso de falha, com que urgência seus usuários precisam dos dados e aplicativos?

Defina quais são os sistemas e aplicativos essenciais para a continuidade da operação da sua empresa. É preciso investigar as necessidades do seu negócio: qual é a tolerância para a perda de dados de cada aplicativo e unidade de negócios? Quais são os requisitos organizacionais, setoriais e governamentais da retenção dos dados?

Só com uma solução corporativa de recuperação de desastres você tem a capacidade de retomar esses serviços dentro de poucos minutos. Após um problema grave que cause a parada os servidores, você pode ter seus serviços de volta no tempo de um cafezinho (15 minutos).

O tempo de recuperação (RTO) pode determinar se a sua empresa terá um prejuízo grande – ou até nenhum prejuízo.

.

3. Tem um plano de Recuperação de Desastres atualizado?

Não é por acaso que se fala tanto em “plano de recuperação de desastres”. Executar tarefas de backup é a parte (relativamente) fácil. Saber exatamente o que fazer durante falhas ou interrupções é o que fará de você um herói (ou vilão) de TI.

É nesse momento que entra em jogo sua competência em analisar:

a) Quais são as aplicações mais importantes para a operação dos seus negócios?

b) Qual é o contrato de nível de serviço esperado para que os aplicativos críticos voltem a ficar on-line (RTO e RPO)?

c) De quem é a responsabilidade de restaurar cada sistema?

d) A definição de “voltar a ficar on-line” difere entre a área de TI e outras unidades do negócio?

.Com essas metas atingidas você estará preparado para enfrentar os desastres mais comuns na TI, como:

  • Queda de energia
  • Falha no equipamento
  • Ransomware que criptografa seus servidores
  • Falha no software
  • Erro humano

Se você já sofreu com o processo de recuperação de desastres através da tecnologia tradicional, sabe como ele pode ser frustrante. Após focar na recuperação e definir as prioridades da sua empresa, você saberá quais são seus critérios para escolher uma solução de proteção de dados realmente competente, que possa facilitar e proteger os backups e as recuperações.

.


Quer conversar mais sobre o assunto? Nossos especialistas tem desenhado e implementado projetos de backup e recuperação de dados confiáveis e simples de gerenciar com opção de redundância segura em cloud. Fale conosco pelo número 62 3945-7955.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *