Como reduzir o consumo de energia no Datacenter

Aumento na conta de energia e risco de racionamento no horizonte, neste momento, alguns profissionais podem pensar “Será possível reduzir o consumo de energia do meu datacenter ou sala de servidores?”.

De fato os servidores consomem uma grande quantidade de energia tanto para seu funcionamento quanto climatização. Pensando em economia, temos que considerar alguns pontos para cada cenário:

Meus servidores são antigos e estão fora da garantia.

Bem, neste caso temos dois problemas, o primeiro é relacionado com a evolução dos processadores, hoje nos servidores novos temos uma quantidade maior de performance por watt. O segundo problema é executar ambientes de produção em equipamentos fora de garantia, no caso de uma falha, pode ser difícil reparar o equipamento rapidamente, gerando possível indisponibilidade nos sistemas.

Neste cenário, vale a pena avaliar a aquisição de novos servidores que podem consumir menos provendo capacidade de processamento e armazenamento superior.

Meus servidores são novos e não existe previsão de compra de servidores.

Bem se você possui servidores novos, já se beneficia do menor consumo e maior poder de processamento e capacidade de armazenamento. Neste cenário cabe a pergunta: Você já utiliza virtualização?

Em caso negativo, por quê? Existem muitas crenças relacionadas à virtualização, muitas delas infundadas ou ainda, alguns profissionais não entendem de fato o conceito de virtualização. Existe uma concepção errada de que virtualização é simulação ou emulação, entretanto não é uma coisa nem outra, uma explicação simplificada seria o compartilhamento de recursos e a abstração dos mesmos. Voltando ao título deste post a virtualização ajuda a reduzir o consumo de energia, no modelo tradicional para disponibilizar um novo serviço, a TI tem dois caminhos: adquirir um novo servidor para atender a demanda (e consequentemente consumir mais energia e gerar mais calor) ou agregar este novo serviço a um servidor já existente (que pode ficar sobrecarregado ou apresentar problemas de compatibilidade). A virtualização pode otimizar o uso de servidores que na prática utilizam menos da metade da capacidade total de processamento e armazenamento. Adicionalmente existem recursos como DPM (Distributed Power Management) da Vmware que em momentos de baixa utilização (madrugada ou finais de semana) reduz o número de servidores físicos ativos transferindo cargas de trabalho via Vmotion para uma quantidade reduzida de servidores, quando a demanda de recursos aumenta, automaticamente os servidores físicos que estavam em “stand by” recebem as cargas de trabalho via Vmotion, garantindo a performance adequada ao usuário final e poupando energia em momentos de baixa utilização. O recurso Vmware DPM está disponível a partir da versão Enterprise do VSphere.

Tenho servidores novos e utilizo maciçamente a virtualização.

Ainda assim é possível economizar energia, se observarmos as especificações técnicas de servidores e ativos de datacenter, eles possuem uma ampla faixa de temperatura de operação, usualmente 10 a 35 graus centígrados, porém vejo que a maioria dos datacenters trabalha com temperaturas de 16 a 18 graus. Se trabalharmos com uma temperatura de 25 graus, estaremos dentro da faixa de operação especificada e sem impacto na vida útil dos equipamentos. Esse incremento de temperatura significa consumir menos energia para climatização.

Fabricantes como a Dell que é a primeira e única com a especificação Fresh Air, que permite aos equipamentos trabalharem sem perda de garantia em temperaturas superiores aos 35 graus, desde que respeitadas as especificações de quantidade de horas. Basicamente a especificação Fresh Air especifica que durante 900 horas por ano os equipamentos (aderentes ao Fresh Air) podem operar em uma faixa de temperatura mais ampla (5 a 40 graus) e 90 horas por ano até 45 graus. Isso significa que nas madrugadas de inverno a climatização pode ser desligada poupando energia.

 

Levantei alguns cenários para economizar energia, mas podem existir outros dependendo do seu ambiente. Se você adota alguma outra prática e deseja compartilhar, participe, deixe seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *